Arquivo para Loucura

Loucura, estás tão linda hoje!

Posted in Divagação/Filosofia, Insanidade, Tudo with tags , on 26/05/2010 by reticencioso

Alguns trechos e apetrechos extraídos e reticenciosamente adaptados do livro “Elogio da Loucura” – Erasmo de Rotterdam…


Que serviço poderiam prestar os sábios, quando os exércitos se estendem em ordem de combate  e reboam no espaço o rouco som das cometas e o rufar dos tambores, ao passo que eles, definhados pelo estudo e pela meditação, arrastam com dificuldade uma vida que se tornou enferma pelo pouco sangue, frio e sutil, que lhes circula nas veias?”

“Tudo o que fazem os homens está cheio de loucura. São loucos tratando com loucos.”

“O sábio absorve-se no estudo dos autores antigos; mas, que proveito tira ele dessa constante leitura? Raros  conceitos espirituosos, alguns pensamentos requintados, algumas simples puerilidades —  eis todo o fruto de sua fadiga.
O louco, ao contrário, tomando a iniciativa de tudo, afrontando todos os perigos, parece-me alcançar a verdadeira prudência.”

Continue lendo

Todo mundo tem um pouco…

Posted in Insanidade, Tudo with tags , on 10/09/2009 by reticencioso

“E o que é um autêntico louco?
É um homem que preferiu ficar louco, no sentido socialmente aceito, em vez de trair uma determinada idéia superior de honra humana. Assim, a sociedade mandou estrangular nos seus manicômios todos aqueles dos quais queria desembaraçar-se ou defender-se porque se recusavam a ser cúmplices em algumas imensas sujeiras. Pois o louco é o homem que a sociedade não quer ouvir e que é impedido de enunciar certas verdades intoleráveis.”

Quem sou eu?
De onde venho?
Sou Antonin Artaud
e basta que eu o diga
Como só eu o sei dizer
e imediatamente
hão de ver meu corpo
atual,
voar em pedaços
e se juntar
sob dez mil aspectos
diversos.
Um novo corpo
no qual nunca mais
poderão esquecer.

Eu, Antonin Artaud, sou meu filho,
meu pai,
minha mãe,
e eu mesmo.
Eu represento Antonin Artaud!
Estou sempre morto.

Mas um vivo morto,
Um morto vivo.
Sou um morto
Sempre vivo.
A tragédia em cena já não me basta.
Quero transportá-la para minha vida.

Eu represento totalmente a minha vida.

Onde as pessoas procuram criar obras
de arte, eu pretendo mostrar o meu
espírito.
Não concebo uma obra de arte
dissociada da vida.

Eu, o senhor Antonin Artaud,
nascido em Marseille
no dia 4 de setembro de 1896,
eu sou Satã e eu sou Deus,
e pouco me importa a Virgem Maria.

Antonim Artaud


Obs: Post aprovado e reconhecido com o selo oficial!!