Arquivo para Insanidade

Abismo do Mundo

Posted in Insanidade, Poemas, Tudo with tags , , on 29/05/2009 by reticencioso

As pedras que dormem de dia,
Acordam assustadas,
Olhando as pipas que pairam sem vento,
Debaixo das juçaras.

E nas casas, tragos e baralhos.
Matando a sede em histórias e veneno.
Com as velas que viram as noites,
Agora apagadas e sem dinheiro.

E na calmaria de um barco que afunda,
De tudo de um tanto de um pouco profundo,
Resta da vela um ser, cogitabundo…

Que nas idas e vindas das voltas do mundo,
De triste pesar de vagar moribundo,
Jogam-se as pedras no abismo noturno…

Anúncios

O dia todo…

Posted in Humor/Nonsense/Coisa Inútil, Insanidade, Prolixidade, Tempo, Tudo with tags , , , on 18/03/2009 by reticencioso

Todo dia penso que o dia todo vai ser nada mais que um dia igual ao de todo dia…
E isso me faz lembrar que se o dia todo for igual todo dia, vou passar todo o tempo achando que dia todo é igual a todo dia o tempo todo…

__Ô moça, café quente e bolo gelado, por favor…

Flashbackinow

Posted in Flashback, Insanidade, Poemas, Tudo with tags , , on 26/10/2008 by reticencioso

Ando feito a coragem que se alimenta da fraqueza inerte.

E premonizo a cada passo, a cada lastro de fé talhada,
O que ainda não deu certo pra me suprir da sorte amada.

Empunho a espada, ergo o escudo, sagaz guerreiro que jaz sem luto,
Esperando o fim absoluto da morte que renasce das cinzas desse mundo.

Pois onde haverá nesta terra, alguém que revele o que se pode esperar sonhar?
Ou o que se pode esperar dos sonhos?

Vivo… Concreto… Vegeto…
_Que diferença faz?

E todo aquele que ainda não desfruta da eterna virtude,
Haverá de ficar no tempo estagnado.
Sucumbindo da política infame.

E o imenso contentamento em atravessar a floresta de espinhos,
Se desmancha ao ver minhas mãos…
Manchadas em sangue…

Perguntas…

Posted in Humor/Nonsense/Coisa Inútil, Insanidade, Prolixidade, Tudo with tags , , , on 30/09/2008 by reticencioso

E chega uma hora onde você se pergunta:
__Pra quem eu pergunto?
Aí você, vendo que não sabe a resposta, sabe que então nem deve se perguntar.
Mas aí, sabendo que já se perguntou, você se pergunta:
__O que é que eu queria saber mesmo?
Só então você percebe que nem você mais sabe o que queria saber.
Então pergunta-se:
__Mas porque eu queria saber algo sobre o que não me lembro?
E já se tratando de uma questão que você não lembra, e não mais de não lembrar de uma questão, você gira em círculos e pensa…
__Hmmm…
Então você esquece de se lembrar da questão esquecida e volta a pensar na questão que você se lembrou, tentando saber ainda se a questão em questão não é a que você queria lembrar, mas percebendo que se você não lembrou da questão ela ainda permanece esquecida, e você apenas se concentra pra não esquecer a questão ainda não esquecida. Mas não parecendo saber a resposta, você evita se perguntar, mesmo que já o tenha feito na hora de lembrar. Mas, se você lembrou, é porque estava esquecida, e a única coisa que você esqueceu nesses momentos, foi a pergunta ainda não lembrada, aí você para, pensa, e vai até a pessoa mais próxima e pergunta a pergunta não esquecida (não a não lembrada):
__Que horas são?
Aí após ouvir a resposta você logo novamente se pergunta:
__Porque eu queria saber isso?
Aí você pára e esquece tudo isso, ao lembrar onde deixou seu relógio…

Rapidinha

Posted in Tudo with tags , on 25/09/2008 by reticencioso

“Todos os dias formam um ano.
Se forem os dias vividos,
Em poucas semanas se foram…”

Cega espada…

Posted in Insanidade, Poemas, Tudo with tags , , on 09/08/2008 by reticencioso

Da espada cega,
Que meus dedos cessaram de afiar,
Vou me decepando aos poucos..

Ainda que não me haja coragem,
A lâmina se faz deslizar,
E a simplória dor indulgente,
(A anestesiar)
Faz cada vez mais forte,
Essa loucura a aflorar..

Triste sina já me assusta,
Me levando a devanear..

Ah,
Mas fujo calmo dessa loucura.
Se não fosse assim, tão boa.
Me enterro nos seus glamores,
Mesmo escuros e pueris.
E me apego ao pé do vento,
Que me eleva ao céu sombrio.

E de lá me jogo do alto,
Como quem busca um alento.
E ao cair me parto em pedaços..
De ódio, de tormento..
De amor e de medo…

E de loucura…

Ah, quantos pedaços dessa, minha cega espada já não me arrancou?

Rotina

Posted in Rotina, Tudo with tags , , on 29/05/2008 by reticencioso

Lá se foi mais um dia…
Um dia comum. Assim, de rotina…
Não um dia feliz… Não… Triste?.. Não!!…
Um passeio… Em um corredor.
Uma viagem até o vizinho.
Um cruzeiro na minha piscina.
Uma fogueira na claridade.
Um filme de terror ao meio-dia…

Vida simples… Da mesmice.

Algumas risadas, algum cansaço, um momento pensativo, uma hora de pressa, algumas horas de preguiça…

Um dia… Assim… Normal…

__E depois, ó céus, não consigo responder porque odeio o que é normal!!…