Archive for the Um sentimento Category

Como se fosse…

Posted in Poemas, Tudo, Um sentimento with tags on 15/10/2009 by reticencioso

Adeus! Já nada tenho que dizer-te.
Minhas horas finais trêmulas correm.
Dá-me o último riso, p’ra que eu possa
Morrer cantando, como as aves morrem.

Ai daquele que fêz do amor seu mundo!
Nem deuses nem demônios o socorrem.
Dá-me o último olhar, para que eu possa
Morrer sorrindo, como os anjos morrem.

Fôste a serpente, e eu, vil, ainda te adoro!
Que vertigens meu cérebro percorrem!
Mente a última vez, para que eu possa
Morrer sonhando, como os doidos morrem.

Negro Adeus
Vitoriano Palhares

Anúncios

The soil is falling over?

Posted in Música, Tudo, Um sentimento with tags on 10/10/2009 by reticencioso

Oh Mãe, posso sentir o chão caindo sobre minha cabeça.
E enquanto deito em uma cama vazia,
Oh bem, tudo está dito.

Eu sei que acabou, ainda assim me agarro,
Não sei mais onde eu possa ir.

Mãe, posso sentir o chão caindo sobre minha cabeça…
Veja, o mar quer me levar,
A faca quer me cortar,
Você acha que pode me ajudar?

Triste noiva de véu, por favor seja feliz,
Belo noivo, dê a ela abrigo,
Bruto, grosseiro amante, trate-a gentilmente…
(embora ela precise mais de você do que te ame)

Eu sei que acabou…

E na verdade nunca começou,
Mas no meu coração era tão real,
E você até falou comigo e disse:
“Se você é tão engraçado,
Por que então está sozinho esta noite?
Se você é tão inteligente,
Por que então está sozinho esta noite?
Se você é tão divertido,
Por que então está sozinho esta noite?
Se você é tão atraente assim,
Por que dorme sozinho a noite?
Eu sei…
Por que esta noite é igual a qualquer outra noite…
É por isso que você está sozinho esta noite.
Com seus triunfos e encantos,
Enquanto eles estão nos braços um do outro”…

É tão fácil rir,
É tão fácil odiar,
É preciso força para ser gentil e carinhoso…

É tão fácil rir
É tão fácil odiar
É preciso ter culhões para ser gentil e carinhoso…

O amor é natural e real,
Mas não para você, meu amor,
Não esta noite, meu amor…

O amor é natural e real,
Mas não para pesoas como você e eu, meu amor…

Oh Mãe, posso sentir o chão caindo sobre minha cabeça…

I Know It’s Over (tradução)
Jeff Buckley

Aqui jaz…

Posted in Poemas, Tudo, Um sentimento with tags on 05/08/2009 by reticencioso

Esquecido, primeiramente.
Abandonado, sujo, lúgubre,
Como não poderia ser de júbilo.

E aqui jaz um jazigo!
Esquecido do esquecer,
Feito a força sem querer,
Sem nem ter a certeza,

De soterrar o desprazer,
Enterrado sem se ver,
Tê-lo tido sem se crer,
Ter sentido sem se ter.

E quando a triste ausência se forma,
Meramente cinzelado,
Mórbida figura esculpida,
De um sentimento já velado,
A dor não o faz esquecer.

E perduram as mágoas,
Que do orgulho se faz untar,
As misérias infindáveis da noite,
Que se faz desaguar,
Na ardência que queima,
De águas salinas,
O coração ferido.

Que mesmo com cuidado,
Mesmo resguardado,
Também um dia este,
Há de ser enterrado…

Pérfido sentimento…

Posted in Poemas, Tudo, Um sentimento with tags , , on 03/03/2009 by reticencioso

De que me importa se tú preferes folhas-mortas?
Se me escondes verdades,
Em meio a contravoltas?

Se me tirais do seu embaraçoso acalento?…
Se me fizestes adormecer a vida,
Ainda sonolento…
Não me importo!
(Digo em tom barulhento…)

Não me importo de nunca mais,
Sentir um beijo ardente…
De me sentir abstinente,
De um abraço envolvente…
E de me deixar sonhar…

Mas que culpa tenho eu,
Se teu coração leteu,
Não traduz certas palavras…

Pois não há, por fim,
Algo pérfido nesse seu sentimento?
E não é melhor assim,
Permanecer no escuro nevoento?

E me escondo com cuidado…
E assim fogem as palavras,
Que em palmas alvíssaras dão boas vindas,
Ao silêncio arrevesado…

Caminhos

Posted in Poemas, Tudo, Um sentimento with tags , , on 15/11/2008 by reticencioso

Difícil é saber quando a gente está bem,
Achar uma saída quando se está fora.

Bater na porta e ninguém atender,
Chamar uma lágrima,
E ela aparecer.

Difícil é a chegada da noite,
Mais ainda a sua partida.

Fácil mesmo é se perder…
Mas não quando é no caminho certo.

Difícil é tentar explicar,
Quando a palavra não existe,
Ou se existe se escondeu,
Junto com a Insegurança…

Fácil voltar,
Difícil se reconciliar
Acreditar…
Duvidar…

Difícil é achar uma saída,
Complicado é procurar a entrada,
Sem saber que já está dentro…
Na esquina da sala.

Enquanto alguém mais perdido,
Está a lhe procurar,
Debruçado na sacada.

Difícil é decidir.

Subir uma escada,
Achar uma palavra,
Antes que encontre só,
Um corpo imóvel na calçada.

oO