Archive for the Nada Category

Que passas?

Posted in Crise existencial, Nada, Tudo on 14/08/2010 by reticencioso

Uva.
Não estou em uma boa fase bloguística. Aliás, já faz um bom tempo, mas não lembro bem da data em que eu criei esta coisa…
Tudo o que penso, tudo o que faço, tudo o que procuro, tudo o que vejo, nada está bom pra postar por aqui…

E fora da cibernética vida, as coisas não estão muito diferentes…
Tudo está chato, tudo é banal, vacal, boçal, trivial, artificial, comercial, transracional, pronominal, ervilhal, pantanal, tutorial, latido de cão no catimbau! …  Só Jesus é que é legal…

Ah… Quer saber?
Isso não vai dar mesmo em nada… Vou-me é embora pra Passárgada…

Só não agora… Ta frio… ‘-.-

Anúncios

Tudo o que você precisa saber sobre nada

Posted in Divagação/Filosofia, Humor/Nonsense/Coisa Inútil, Nada, Tudo with tags on 16/06/2009 by reticencioso

“Nada é inimaginável, então podemos imaginar tudo, até o nada.
Mas como isso é possível se nada é inimaginável?”

Bom, depois de pensar na falta de criatividade, resolvi reservar um tempo para pensar sobre a paradoxal palavra “nada”.

E penso agora:
_Lá vem outro texto sem nexo que não vale nada…
(Que bom, então, nada, ele não vale… Mas eu entendi…)

Mas vamos ao assunto…

Temos o nada e o tudo, certo?

Tudo é a completa falta do nada.
Nada, total vazio de tudo?

Nada e tudo podem ser dois extremos de cada extremidade dos opostos não convergentes que não se atraem, ou talvez, por já estarem envolvidos entre si em um natural fenômeno quântico desconhecido, possam ser apenas incertas coisas nomináveis…


Hein?
Hã?!
Quem?!
Oras…
Duas e quarenta e seis…

_Caalma!! Você não precisa fazer nada para entender tudo sobre o mesmo!

Vamos analisar uma famosa e discutida frase:
“Hoje eu não vou fazer nada.”

Podemos reparar que o sujeito da frase, ou não deve trabalhar ou está de folga. Ou outras centenas de ociosas possibilidades…

O nada, como pronome, advérbio ou substantivo, é nada mais nada menos do que uma palavra com o emprego mais anormal do gramatical mundo das frases palavreadas…

E será o passível nada, possível de ser realizado em forma de ação?

“João Pedra Amando Rocha vai ao trabalho para fazer nada.”
“Naquele instante, a onda perfeita se formara, mas Tobias nada…”
_Obrigado!
_De nada?

E pressupondo uma ação, a frase correta seria “Hoje eu vou fazer nada”…
Pois o não fazer nada, nega a ação de fazer coisa alguma, ficando óbvio que pensar nisso é total perda de tempo…

Mas, então há o nada como falta de tudo, e como a inércia, a falta de ação…

Isso leva a entender que nada leva a nada…

Há! Elementar meu caro Watson, nada mais provável…

Mas como fica tudo em tudo isso?

Como o oposto do nada, o tudo, além de definir a falta de nada, pode englobar qualquer quadro de ação composto de mais de uma da mesma…

_Vai chupar cana ou assoviar?
_Tudo ao mesmo tempo!

E mais uma vez é provado por a+b que c é o resultado da soma de duas letras…
E que, de tudo isso, eu não acho é nada…